quinta-feira, 27 de junho de 2019

era...


Era vida suspensa
em molas frágeis
como gelo ao amanhecer,
arrepiado,
na luz anunciadora
de novo dia,

Era olhar com tempo
entrelaçado em histórias
de aqui,
de outros dias
e sem calendário.

Histórias a morar
na fantasia,
ilusão na ponta do pensamento
como se fosse a realidade 
mais enraízada
do mundo.

Era apenas vida 
correndo
nos dedos do caminho
ora escolhido,
ora tropeçado,
deixando leve perfume
esvaído na passagem.

Pois,
 se era
e já não é!?


10 comentários:

PEQUENOS DELITOS RENOVADOS disse...

E a vida segue sua rotina imutável... dia, tarde e noite...
A vida segue, com ou sem calendário, no processo ininterrupto da vida: Nascer, crescer, morrer.... com ou sem calendário, somos todos filhos e órfãos desse mesmo processo!
Beijinhos!

chica disse...

Muito lindo teu poema e assim é mesmo a vida que corre e achamos que é e ,de repente, já não é mais! bjs, chica

Elvira Carvalho disse...

Bonito o poema.
Fico feliz por vê-la de volta.
Espero que esteja tudo bem consigo.
Abraço

Francisco disse...

Bom ter te de volta por aqui

beijinhos

Ana Bailune disse...

"Caminho escolhido, caminho tropeçado..." Que lindo isso!
Belíssimo poema.

Olinda Melo disse...


Tudo momentos preciosos que pontuam a vida, fazendo-nos vivê-la
plenamente.

E já não são, se já não existem, penso que será o mesmo que
atravessar uma noite escura.

Bj

Olinda

Demian disse...

Bellisimo!!!

Graça Pires disse...

a vida com tudo aquilo que escolhemos e não escolhemos, com o que aceitamos e recusamos…
Um poema muito belo.
Uma boa semana.
Um beijo.

Pedro Coimbra disse...

Hoje é só para dar conta do meu regresso à blogosfera.

Lúcia Silva Poetisa do Sertão disse...

Lindo, profundo e reflexivo esse poema!
Beijos!