sexta-feira, 13 de abril de 2018

sem chão


Caminho sobre águas
soltando pegadas
que satisfazem o apetite
calmo do mar.

Passo por aí,
onde o chão se afoga
por entre lamentos 
e regozijos de mim,
frémitos invisíveis
do que fui,
do que quero.

Balanço na viagem,
sem chão,
desse oceano
que quero conhecer,
vagando norteada
pela maresia da névoa
em que te sinto,
onde te busco.

Hesito na falta
de respostas,
na fragilidade deste querer,
sem chão,
tão imenso,
tão extenso
qual umbral flutuante
derramado sobre
a vereda molhada
e fria
onde me encontro.

Esperanço-me no olhar
distante,
para lá de mim,
onde te sonho, 
onde te sei,
onde te amo.

9 comentários:

Gil António disse...

Poema deliciosamente poético.
.
* Fonte Divina de Amor Sentido *
.
Desejando um dia feliz.

Elvira Carvalho disse...

Muito bonito amiga.
Abraço e bom fim-de-semana

Francisco disse...

Gostei muito

Beijinhos

emanuel moura disse...

Gratificante partilha querida amiga ,muitos beijinhos no coração felicidades

Larissa Santos disse...

Lindo demais. Parabéns :))

Hoje:- Sou a flor que renasce na primavera.
-
Bjos
Votos de um Óptimo Sábado

Eros disse...

E como saberia bem, caminhar sobre as águas...

Ricardo- águialivre disse...

Poema Sublime
"" És o meu caminho incerto. ""
.
Um fim de semana de Paz e Amor.

Pedro Coimbra disse...

Sem chão mas com muita verbe.
Boa semana

Graça Pires disse...

Para lá do sonho, ou dentro do sonho existe o chão que procura... Um bom poema.
Uma boa semana.
Um beijo.