sábado, 26 de agosto de 2017

anúncio primeiro


anuncio a primavera,
nem a primeira nem a última,
tão somente a primavera.

proclamo a serenidade
do morno pelas manhãs,
a tranquilidade do desabrochar,
o permitir ser-se em
autenticidade.

afago o começo
na delicadeza
pura
do sentir
a aragem da madrugada
em inocências próprias
de anúncios primeiros
como o da inviolável
primavera.


8 comentários:

emanuel moura disse...

Que belo momento de poesia querida amiga ,desejo-lhe um domingo muito feliz ,beijinhos no coração felicidades

Arte & Emoções disse...

Passando para te cumprimentar e apreciar este belo poema.

Abraços e uma ótima semana para ti e para os teus.

Furtado

Pedro Coimbra disse...

E nós aqui em Macau à espera de um Outono fresco e sossegado.
Boa semana

Rui Pires - Olhar d'Ouro disse...

Muito bom!

Maria Rodrigues disse...

Belo e delicado poema.
Beijinhos
Maria de
Divagar Sobre Tudo um Pouco

Graça Pires disse...

Delicadíssimo, o poema! Gostei imenso.
Uma boa semana.
Beijos.

Meu Velho Baú disse...

Que poema tão tranquilizador....como a serenidade que se espera da Primavera,
Beijinhos

José Carlos Sant Anna disse...

Do teu anúncio ecoa uma canção dentro de outra canção nas teclas invisíveis da tua sensibilidade e, sereno, me curvo para saudar como tu a primavera.
Beijinhos,