sábado, 1 de novembro de 2014

Às vezes



Às vezes acontece um desespero,
o abismo que se avoluma
bem dentro de mim.

É como um nevoeiro,
a cegueira dantesca do Nada,
em meu olhar.

Às vezes um abrigo me acolhe,
a morada fria de não me gostar,
onde boas-vindas não há.



É quando um fio de possibilidade,
o atrevimento da esperança,
me prende a entrelaçada teia.

Às vezes um gesto me salva,
toque do universo,
agarrando-me de improviso.

É como um Sol só meu,
espelho de outras imagens,
por onde a minha sombra me busca
em procura desenfreada,
pois se me perdi.

Às vezes um colo é vital,
ternura de ombro sem julgar,
chão que preciso pisar.




26 comentários:

✿ chica disse...

Tantas vezes um pouco de aconchego e ternura, sem cobranças basta! LINDA!! bjs,chica

mmm´s disse...

Às vezes precisamos tanto de um colo, de um abraço, de um mimo...

Nal Pontes disse...

As vezes, precisamos ficar só, as vezes queremos um abraço, um afago. Linda e poesia para uma boa reflexão. bjs

Edumanes disse...

não te preocupes com a tua sombra!
deixa ela seguir-te em liberdade
para onde fores ela te acompanha
com orgulho da tua personalidade.

Boa noite, bons sonhos e bom fim de semana, um beijo.
Eduardo.

Juliana Rosa disse...

Essa poesia poderia ser comparada a música Traduzir-se, pois as vezes todos nós nos sentimos assim, solidão, ternura, afago, distância, aconchego. Belíssima.

emanuel moura disse...

As vezes basta uma palavra para fazer a diferença ,lindo momento querida amiga Perola muitos beijinhos

XicoAlmeida disse...

As vezes
Nao sabemos olhar
As vezes fecham os olhos
As vezes temos vergonha
De mostrar os nosssos sonhos
As vezes temos os outros
Que colhem as nossas as vezes
Em que uma colher de sopa
Fica para o fim do mes

Desculpe, saiu num repente.
Infelizmente.

Laura Santos disse...

Todos nós nos perdemos de vez em quando, e todos nós precisamos sempre de colo.
xx

Andreia Morais disse...

Às vezes acontece muita coisa e temos que nos saber adaptar.
Fantástico, como sempre!

Cidália Ferreira disse...

Um poema muito bonito e ternurento. Amei

Bom Domingo
Beijos
http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Francisco disse...

Adorei e tenho sempre um colo e dois ombros amigos ;)

Beijinhos

Marisa Giglio disse...

Pérola , seu poema exprime toda doçura contida num colo , que muitas vezes é vital para nossa salvação . Gostei muito . Agradeço a partilha . Beijos e boa semana .

Vieira Calado disse...

Um ombro, pois!
Volta e meia, é do precisamos!
Saudações poéticas!

Graça Pires disse...

Às vezes. Tantas vezes. Todas as vezes. Só precisamos de amor...
Beijo.

Elvira Carvalho disse...

Todos nós de vez em quando precisamos de um colo, ou de um ombro amigo. O que nem todos nós sabemos é dizê-lo assim.
Um abraço e bom domingo

ReltiH disse...

SI MI HERMANA, ASÍ ES A VECES.
ABRAZOS

Patricia Merella disse...

Ola Pérola
As vezes a melancólia nos invande,isto não quer dizer tristeza,mas um momento que o coração nos convida para sentirmos e escuta-lo.Um colo é tudo de bom eu ando louca por um colo de minha mãe,um lindo fim de Domingo,beijinhos

Mona Lisa disse...

Um colo...um porto seguro...um abraço...algo que tanta vez necessitamos e não temos quem nos dê!

Excelente e tocante poema!

Beijinhos.

Dorli disse...

Oi Pérola
Adoro suas poesias, de vez em quando passarei por aqui, mas voltar, jamais...
Voltar é retroceder.
Beijinhos
Lua Singular

Coluna da Mi disse...

Me vejo tanto nessas palavras que qualquer comentário mais rebuscado que fizesse aqui se tornaria redundante.
Também vivo essas tempestades constantemente e o que me alivia é escrever, escrever e escrever.
Escrever ajuda a organizar os pensamentos e sentimentos.
Beijos.

http://colunadami.blogspot.com.br

Poesia do Bem disse...

Um abraço, um sorriso, um elogio, um olhar , um gesto meigo é apenas o que precisamos em certos momentos para voltarmos a sorrir. Passa no blog tenho um segredo para te contar. Bjs e boa semana abençoada!

Ziza's N.E.M. disse...

R.: Lembrei do exemplo de um bom profissional cartonista e empregado de balcão. É óbvio para chegar à perfeição é necessário aprender por mais figuras tristes ou engonhices se faça, mas quando chegas àquela máxima - eficiência e rapidez. O lucro parece superior.

-----

Um gesto solidário, afeto e compreensão às vezes basta.

Andreia Morais disse...

r: Estou quase a chegar, está atenta à porta :)

Santa Cruz disse...

Pérola: Muito lindo uma poema maravilhoso adorei ler.
Beijos
Santa Cruz

PEQUENOS DELITOS RENOVADOS disse...

Muito lindo....
A esperança equilibrista sabe que o show de todo artista (poeta) tem que continuar!!!!

Agostinho disse...

Uma linda rã triste
sem saber que fazer.
Saltar ou esperar?
Espera que a noite
lhe traga alento:
o ombro do amor
que há de chegar.