sexta-feira, 2 de junho de 2017

casa fechada


Veio o vento 
e soprou
tempo 
em casa
que não era minha,
teceu
fios de saudade,
embaraços,
que me toldam o olhar
porque tu
já não moras aqui.

Chegou a madrugada
e acordou
outro dia,
outra história,
outra fechadura
de chave própria
onde eu
já não tenho morada.

12 comentários:

emanuel moura disse...

Maravilhoso querida amiga ,um profundo sentir ,muitos beijinhos no coração ,felicidades

Francisco disse...

Gostei muito;)

Beijos

Cidália Ferreira disse...

Maravilhoso!

Beijo e bom fim de semana

Maria Rodrigues disse...

A saudade dilacera o coração.
Nostálgico e tão belo.
Bom fim de semana
Beijinhos
Maria

✿ chica disse...

Muito lindo`Pérola! Lindo fds! bjs, chica

Cláudia disse...

Sim mas giro.

Beijocas

Dani Cristina disse...

Nossa;AMEEI !!!!
Ótima escolha da imagem também. :)

Pedro Coimbra disse...

Está na hora de abrir portas e janelas.
Para, como dizia Deng Xiaoping, deixar entrar ar. Mesmo que também entrem moscas.
Boa semana

Graça Pires disse...

Deixar entrar o vento, para levarem as mágoas com ele...
Muito belo, o poema.
Uma boa semana.
Beijos.

Élys disse...

Uma bela poesia , onde uma gota de tristeza está presente.
Um abraço. Élys

Beatriz Bragança disse...

Querida Pérola
Um belo poema para falar da saudade de um amor que terminou?!
Parabéns, pois a sua escrita continua surpreendente.
Um beijinho
Beatriz
VIDA E PENSAMENTOS
http://pegadasdeanjo.blogspot.com

Manuel Luis disse...

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades.
Bjs