sábado, 22 de agosto de 2015

flor e dependurada



Sou flor dependurada,
perdi caule, raíz
até folhagem.

Resto-me na cor
da minha veste,
na alegria do meu perfume.

Sou flor amadurecida,
plena de cor
como só eu,
flor dependurada.

Nesse balanço da corda
assobio ao vento,
sussurro-lhe minhas vontades
como nada me tolhesse.

Ah! 
Vã Ilusão!

Sou mera flor dependurada
presa nas pinças da vida,
imaginando o quanto sou livre,
quando,
em verdade,
sou só eu,
cercada de infinidades
limitadas por fragilidades
de flor.


33 comentários:

Dorli Ramos disse...

Oi Pérola
Linda poetiza
Suas poesias me deslumbram.
Beijos no coração
Dorli

Manuel Luis disse...

O que vale uma flor fora do lugar? O perfume ao vento, presa no baloiçar da corda.
Desejos!
Estarei de férias em Novembro.
Bj

Dorli Ramos disse...

DESCULPA, ESCREVI A PALAVRA POETISA ERRADA
BEIJOCAS
DORLI

Poesia do Bem disse...

Linda demais tua poesia como sempre que eu venho aqui e me ilumino, me inspiro.

Patrícia Pinna disse...

Boa noite, Pérola.
Eu fiquei emocionada a l e r tua poesia.
Verdadeiramente somos flores em estado de desabrochar, noutras, pétalas mortas.
Tenha um bom fim de semana.
Beijos na alma.

Patrícia Pinna disse...

Boa noite, Pérola.
Eu fiquei emocionada a l e r tua poesia.
Verdadeiramente somos flores em estado de desabrochar, noutras, pétalas mortas.
Tenha um bom fim de semana.
Beijos na alma.

Cidália Ferreira disse...

Boa noite Pérola
Maravilhoso como sempre.

Beijos, bom Domingo
http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

APENAS PALAVRAS disse...

Uma linda e magnifica poesia, seguida de uma bela ilustração figurativa...
Hei de confessar que sempre estou a me surpreender com novos dizeres poéticos, vindas de ti....

bj no coração.... BFS

Francisco disse...

Gostei muito;)

Bom domingo

Beijinhos

Andreia Morais disse...

Que lindo, Pérola! Fico sempre rendida *.*

r: Muito obrigada!

Beijinhos*

VitorNani disse...

A falsa liberdade de flores que são sacadas da terra, para viverem dependuradas em varais, presas agora pela artificialidade das pinças como falsas raízes, são como os ingênuos que trocam os casebres do campo por apertados labirintos nas favelas das grandes cidades, onde os ventos já não tocam suas faces!
Foi assim, que entendi sua mensagem, Pérola!
Beijos e bom domingo!

Nal Pontes disse...

Interessante tema. "Flor de dependurada" parabéns, linda poesia.
Um lindo domingo prá ti. Bjs

emanuel moura disse...

Assim como esta linda flor dependurada ,assim é o corpo frágil que se corrompe no balançar do tempo ,muitos beijinhos e um lindo e feliz Domingo.

A. Jorge disse...

Brilhante!

Andreia Morais disse...

r: Sim, isso é verdade, depende sempre de quem as vê.

Tem peças mesmo giras :)

afetocolorido.blogspot.com.br disse...

Versos deslumbrantes encantando leitor e olhares. A flor solitária não se restringe em exalar seu perfume ao vento. Lindo!
Bom domingo!

Bjs!

My Precious Space disse...

Que poema maravilhoso* Adorei :)
beijinhos
http://mypreciouspace.blogspot.pt

Gracita disse...

Somos flores cheias de viço e energia
Por um tempo mostramos nossa força e juventude e ao sabor do vento vamos colhendo as belezuras da vida. E a cada dia como a bela flor vamos nos despindo da cor e formosura mas nem nem por isso menos audaciosa e exuberante
Lindíssimo poema Pérola
Que a sua semana seja radiante
Beijos e carinhos

Style For Mankind disse...

Awesome post! Hope you have a lovely Monday dear! :)

xoxo;
STYLEFORMANKIND.COM
Facebook
Bloglovin

Guaraciaba Perides disse...

Oi, Pérola...nem que seja dependurada no varal, mas mantendo as cores e sentindo a brisa que passa não perde a sua beleza...o viço se eterniza e se torna uma flor que chamamos de "sempre viva"
Um abraço ...lindo poema melancólico!

Blog da Gigi disse...

Olá amei seu cantinho!!!! Seguindo!
http://gigicandy29.blogspot.com.br/

Marcos Satoru Kawanami disse...

Bons versos líricos, ainda que tristes.

=)

aluap Al disse...

A imagem e poesia fez-me pensar na festa das flores em Campo Maior. Não sei se tal lhe ocorreu quando a escreveu, mas foi uma boa oportunidade a sua inserção.

Beijos e resto de 1 bom domingo.

adaobraga disse...

O cravo brigou com a rosa
Debaixo de uma sacada;
O cravo saiu ferido;
A rosa despedaçada.

Me fez lembrar desta cantiga!

ReltiH disse...

SIEMPRE EXCELENTES TUS TEXTOS.
ABRAZOS

Cláudia disse...

Eu agora até comecei a gostar mais de flores =)

Beijocas

Mariangela do Lago Vieira disse...

É nos esvoaçar desta linda flor colorida, tolhida sim,
mas balançando ao vento, e exalando para que todos possam sentir,
o seu precioso e contagiante perfume.
Amei tua linda poesia amiga.
Beijos!
Mariangela

Pedro Coimbra disse...

Flor com cheiro intenso.
Muito bonito.
Boa semana

Crocheteando...momentos! disse...

Amiga...a flor...apesar de dependurada...não perdeu o seu esplendor!!!
Gostei...bj

Bergilde disse...

A efemeridade do que é viver.Sentida e profunda poesia!Voltando após férias aqui pra te ler,bom dia!

Andrea Bitencourt disse...

Olá Pérola!!
São tantas as vezes que nos sentimos assim como apenas uma flor sem caule esperando os caminhos do vento!
Beijos mil e ótima semana pra ti! =)

© Piedade Araújo Sol disse...

somos todos um pouco dessa nostalgia que escreves neste poema...

grata!

beijos

:)

Morning Dreams disse...

Lindo! :)

MORNING DREAMS

Sofia Silva, Beijos*