segunda-feira, 20 de março de 2017

desculpas


Cansam-me as desculpas,
estas fendas iluminadas
a que me agarro
sem saber 
da porta de acesso.

Excluída de vontade
salto lapsos,
intervalos de mim,
que sei
serem únicos
ao ficarem trancados
nesta insanidade
a que chamam vida.

Sem chave ou fechadura,
quedo-me em voltas,
círculos angulosos,
na procura de algo,
nem compreendo o que é.

Angustio-me
na canseira de existir,
perguntas sem resposta,
vontade sem tempo,
desejo sem rumo.

Transbordo-me,
no vazio
imenso do sentir
minha dor,
fechada na imobilidade
da espera
por onde as desculpas
se chovem,
como chaves esquecidas
dependuradas em minha mão.

sexta-feira, 17 de março de 2017

do pó



O pó paira no momento,
suspenso,
em fio passado
nos bordados da vida,
tecendo névoa
que importa esquecer.

Deposita-se em minha mão,
nas palavras que escrevo,
nas emoções de agora,
desviando-se 
de sentires envelhecidos,
coisas da memória,
esculturas em desuso,
meros testemunhos
de outros tempos.

Neste instante,
carrego o peso desse pó,
observo-o,
analiso-o,
de nada me vale,
de nada me serve.

Em inspiração natural,
solto o sopro,
suave,
de outros ares,
deixando o (re)início vir,
transparente na honestidade,
de outra possibilidade,
de me ver,
de me ser,
desempoeiradamente.

quinta-feira, 16 de março de 2017

Ensaio para uma menina


Tem essa miúda
pequena
de vida desconhecida,
caminho pela frente
embaciado 
pelo desejo
de tanto.

Garota com 
medos desnecessários,
oprimida em si
sem saber 
da dimensão do mundo,
da vastidão dela.

Que se quebre
a redoma
e a pequena se abra 
ao universo!

Tem essa criança 
dento de mim,
em espera,
da escolha de me ser.

Haja alguém
a sussurrar-lhe 
da importância
da gota no oceano,
da areia na praia,
do amor que só ela é,
sem temores ou vacilações,

Sê-te, miúda,
em liberdade,
em ação,
solta pensamentos
e sente
o sol
e o vento
cá de fora
onde habitam 
sombras a vencer.

Atreve-te!
Permite-te!

São preciosas 
a sujidade,
as dores e quedas
sem proteção,
no amparo da tua força,
determinação que nem sonhas ter.

Tem essa miúda
na hesitação
de se fazer ao mar,
pois tem...




segunda-feira, 13 de março de 2017

diálogo meu



Insistes,
teimas na tua razão.

Olhas-me e vês
outra qualquer.

Eu não sou
o que tua mente quer,
o que teu coração deseja.

Continuas a mastigar 
os pensamentos
como se fosse bolo alimentar
e me pudesses processar
no teu sistema,
à tua forma,
do teu jeito.

Pois bem,
meu menino,
apenas sei que não sou reflexo de nada
e,
muito menos,
de ti.

Nasci sem espelho, 
paredes
ou imitações.

Rasguei a existência
por entre dores,
demandas,
sofrimentos só meus.

Sorvi o prazer
de me ser companhia,
adivinhar intuições
e sentires sem dono.
Só meus.

Bebi da vida
orvalhos,
tempestades que ninguém deu conta.

Perdi-me e achei-me
vezes sem conta
em labirinto por montar
como peça por encaixar.

Basta!

Pisa a terra o quanto 
te der na  gana,
enfatiza-te até ao último
abismo do planeta,
permanece em ti,
só tu sabes 
o quanto tens de te ser autêntico.

Eu floresço
em cor e cheiro de flor,
inclinada para o sol
privilegiada no veludo
de me ser.

Começo a viver
de pétalas abertas
dispensando teu calor,
tua presença,
teu tudo.

Agora sou só eu . . .


sempre há


Há um mundo
a convidar,
tímido,
sem conversas,
existindo,
em coloridos
que chamam,
nas formas
à espera de serem moldadas,
no coração,
soltando horizontes,
descobertas
logo ali,
despidas de fronteiras ou limites,
e tu,
cego
nas coisas do mundo.

Olhas-te
nas sombras do cinzento
troçando do convite
como se não te fosse ele
a passagem do umbral
para te seres em plenitude.

Há pó,
terra,
chão,
mares
e cores.

Atreve-te!
Sê!
Vai!

quarta-feira, 8 de março de 2017

nascente


As algas banham-se
por entre rios
desaguados
neste mar
de olhos meus.

Revolvem-se lágrimas
na espuma
desta inquietação
que não quero minha
nem de outro qualquer.

Solto-me aos ventos,
grito às tempestades,
chamo a acalmia
de outros horizontes,
outras planícies despidas de regatos
e oceanos com nascente em mim.


segunda-feira, 6 de março de 2017

madrugando


Aguardo o orvalho
da madrugada 
do teu despertar,
a preguiça lenta
do teu corpo
a acordar.

É húmida 
a minha espera,
o meu voo
sobre ti,
leve e doce
como a aurora.

Cuido o sono teu
em meu sonho
de te beijar,
outra vez,
no silêncio
de carícias devolvidas.

É fresco
o meu desejo,
a minha cara lavada,
polvilhada,
em chuviscos quentes
de te querer.

domingo, 5 de março de 2017

ensaio para as profundezas



É de dentro
que as marés
se enchem
com ternura tua.

Agigantas-te
em profundezas
cristalinas,
luminosas
como só o teu jeito sabe ser.

E bem lá do fundo
soltas tempestades,
contornos de ilusão
do que és,
do que sentes,
lá,
na tua essência.

É alto,
grande,
o amor oculto
com recantos 
de acessos imperceptíveis,
escadarias 
a convidar 
para tua casa
por entre a maresia
e gaivotas 
que te são vigias,
guardas,
do oceano
em que te és,
da enseada 
em que me esperas.

É do insondável,
em que o mar recua,
em que o mar vem,
que se descobre
a mansidão
da carícia doce
nos silêncios
da tua profundeza.