domingo, 5 de março de 2017

ensaio para as profundezas



É de dentro
que as marés
se enchem
com ternura tua.

Agigantas-te
em profundezas
cristalinas,
luminosas
como só o teu jeito sabe ser.

E bem lá do fundo
soltas tempestades,
contornos de ilusão
do que és,
do que sentes,
lá,
na tua essência.

É alto,
grande,
o amor oculto
com recantos 
de acessos imperceptíveis,
escadarias 
a convidar 
para tua casa
por entre a maresia
e gaivotas 
que te são vigias,
guardas,
do oceano
em que te és,
da enseada 
em que me esperas.

É do insondável,
em que o mar recua,
em que o mar vem,
que se descobre
a mansidão
da carícia doce
nos silêncios
da tua profundeza.


5 comentários:

Francisco disse...

Gostei muito

Bom domingo :)

Bjs

emanuel moura disse...

Sublime poema querida amiga ,gostei muito ,desejo-lhe uma semana muito feliz ,beijinhos

Pedro Coimbra disse...

A beleza das palavras que é habitual por aqui.
Beijos, boa semana

Graça Pires disse...

A essência do amor no mais profundo do ser... Um belíssimo poema, com uma excelente fotografia.
Uma boa semana.
Beijos.

Mar Arável disse...

Texto e imagem
em perfeita harmonia

Bjs