quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Ensaio para Ela


Para lá do espelho,
na dimensão funda de se ser,
ela acreditava-se.

Era tal o desplante
que o atrevimento se envergonhava
de pôr em voz,
atitudes,
ou palavras 
o que a alma lhe segredava.

Para lá do mundo,
no espaço de si,
ela autorizava-se.

Era tal a ousadia
que o receio se minguava
em vontades 
para lá do conveniente,
em apetites fora de hora,
saboreando na pele
o sentir 
(também)
de ninguém a adivinhar.

Para lá de tudo o resto,
de tudo,
de todos,
e mais 
das imagens de si,
ela avaliava-se, 
existia na palpitação
da plenitude
de se saber mulher,
exclusiva,
de singularidade a preto e branco,
sem meios tons,
na inteireza feminina.

6 comentários:

Cláudia disse...

Dos bons =)

Beijocas

Cris Mestre disse...

Excelente! Bjn

Cidália Ferreira disse...

Poema fantástico!!

Beijo

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Pedro Coimbra disse...

A descrição de uma Mulher.
Muito mais que uma mulher.
Bfds

emanuel moura disse...

Magnífico querida amiga, gostei imenso muitos beijinhos no coração felicidades

Francisco disse...

Gostei

Bjs