quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

... deixo-te ...



Deixo-te ser horizonte,
céu de constelações,
voo sem asas.
 em infinitudes minhas.

Deixo-te em guerra,
batalha íntima,
coração solto,
em amores meus.

13 comentários:

emanuel moura disse...

Riquíssimo momento de poesia ,muitos beijinhos no coração querida amiga

Cláudia disse...

A imagem vale mais que mil palavras.

Beijocas

Demian disse...

En el dejar o soltas esta el amor tambien hacia el otro... Hermoso poema

Ivone disse...

Que lindo, sempre lindo por aqui!
Abraços apertados!

Pedro Coimbra disse...

Amar também é isso - dar liberdade e deixar voar quem se ama.
Bjs, Bfds

Francisco disse...

O que esse post me fez lembrar?! O meu passado muito lá atrás :)

Memórias é o que restam

Beijinhos

Bell disse...

Qdo a gente ama temos que deixar o outro livre.

bjokas =)

Ana Bailune disse...

Perfeito... amar e deixar em paz. Amar É deixar em paz.

Lucas - Blog: Overture disse...

Que belezurinha! Valeu! Mas deixar assim é muito perigoso! Beijo

Os olhares da Gracinha! disse...

Esse pensamento é bem pertinente e dá que pensar!!!
bj

Elvira Carvalho disse...

Tão pequeno e tão intenso!.
A prova de que tamanho, não tem a ver com a qualidade.
Um abraço e bom fim de semana

Vieira Calado disse...

Breve e bonito!

Saudações poéticas!

Graça Pires disse...

Diz-se que renunciar é uma forma de amor... Será?
Uma boa semana.
Beijos.