quarta-feira, 31 de julho de 2013

Perdidos


Navega-se em mares ínsipidos
de céu enssombrado.

Vidas à toa.

Sem estrelas guia,
norte ou rumo.

Soltaram-se os motores de nós há muito.

Perdidos em nudez desesperançada.

Ao sabor da corrente,
impulsionados por ventos contraditórios,
busca-se o ser.

Ao embater no rochedo da Vontade,
sorriem possibilidades.

Perdidos por mote próprio,
escolha (im)ponderada.



7 comentários:

emanuel disse...

Tantas vezes nos sentimos perdidos ,inúteis nesta imensidão de porquês ,por momentos paro e ponho-me a refletir toda a minha existência .mas e no silencio da noite que me encontro com o meu ser ,nada me impede de ser feliz apenas me sinto demasiado agarrado as duvidas e incertezas da vida .Um lindo poema ,muitos beijinhos

Francisco disse...

Muito bom :)

Beijinhos

Mar Arável disse...

Há vidas assim

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Minha querida

Por vezes a vida nos conduz para caminhos que não são os que queríamos percorrer.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

Opinante disse...

Bom dia querida!

Arco Iris disse...

"Ao embater no rochedo da Vontade,
sorriem possibilidades. "
Lindo.
Bjs :)

Mona Lisa disse...

Tanta vez me senti/sinto perdida!

Magnífico poema!

beijinhos.