quinta-feira, 2 de outubro de 2014

A Cru


Sei de cor
o caminho da rotina.
Deixo que os olhos
se adormeçam um pouco mais,
delegando no resto do corpo
o que tem de ser.
A cru,
enroupo a cor do dia,
adio a lavagem de cara.
Afinal ainda não acordei.
Lá fora sei de trânsito,
pessoas mais valentes do que eu,
azafamadas em gestos impacientes.
Dizem que é a vida,
obrigações encafuadas
na mala,
junto das chaves,
do telemóvel 
e dessa vontade de fugir dali.
Sonhar ser-se outro/a,
noutros hemisférios,
para lá das fronteiras
de paralelos que sufocam,
enfermam o nosso 'eu'.
A cru,
vou-me desgastando,
esfumando-me 
neste tem que ser.
Desapareço,
sem que se importem,
Afinal,
como se mede o valor de mim?



35 comentários:

Ives disse...

A palavra valor esta quase sempre associada à matéria, mas acredito que intermante o espirito é quem revela o diamante! abraços

Edumanes disse...

Como se mede o valor de ti?
Nesse tem que ser,
a cru, boa pergunta
mas não sei responder
como fugir dessa barafunda
não sei se bem percebi...

Beijinhos e um bom dia para ti.

Crocheteando...momentos! disse...

Adorei e assenta-me que nem uma luva!!!
Bj amigo

Bell disse...

Eu não gosto de rotinas, pq são maçantes, mas podemos mudar ela todos os dias, basta um sorriso, uma gentileza, um gesto de carinho.
E o nosso valor não precisa ser medido pelos outros, tem que ser medido por nós mesmas.

bjokas =)

Elvira Carvalho disse...

Neste mundo capitalista, ninguém dá valor á pessoa. Já a minha avó dizia "Muito tens, muito vales. Nada tens, nada vales."
Muito bom o poema.
Um abraço

Cidália Ferreira disse...

Fantástico Poema, Perola. Adorei


Beijinhos
http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

vitorchuvashortstories disse...

Olá,Pérola!

Tantas interrogações sobre o que fazemos aqui...Sobre a rotina; que poderá ser coisa boa ou má - dependendo isso de cada um...Mais sobre o querer estar onde não se está - sem ter ideia alguma onde poderá ficar tal lugar...
No fundo, tudo isto não passará de inquietação rotineira de quem sente a necessidade de se interrogar...Acho eu.

Beijinhos
Vitor

Andreia Morais disse...

Aí está uma boa questão!
Adorei, como sempre

Beijinhos*

emanuel moura disse...

Belo momento querida amiga Perola .

"Vida intrigante e consciente
dos momentos e dos porquês
das perguntas que não terminam e
das respostas que não tem fim ."

Beijinhos

Guaraciaba Perides disse...

Oi, Pérola, muito bom esse momento...onde todas as possibilidades estão dispostas mas que nos dá o direito de ficar um pouco mais, entre a realidade do sonho e a realidade do cotidiano...é o íntimo momento onde
os eus se encontram e revelam mutuamente.
um abraço

Marta Vinhais disse...

Uma boa pergunta...O "tem que ser" é tão complicado...Temos que aproveitar aqueles momentos em que fazemos o que verdadeiramente queremos... Bem no fundo da alma...Para reviver quando o "tem que ser" se complica...
Beijos e abraços
Marta

Omar enletrasarte disse...

un collar melancólico, dolido y vivencial
saludos

José Carlos Sant Anna disse...

Essa liturgia é uma bagagem que carregamos levados pela materialidade do capital, essa estrela distante, esse um feixe de luz, que nunca alcançamos. Mas se você olhar em volta há de aparecer uma borboleta volteando à sua frente...
Beijos, Pérola!

Labirinto de Emoções disse...

Olá Pérola!
O valor que existe em ti não se mede...ele existe, está lá é intrínseco...ponto final!..:-))))
E a cru temos de viver o dia a dia, e encontramos sempre forças onde parece que elas não existem...
Beijinho grande
Teresa

Mira disse...

O valor de ti é medido, não só, mas
também pelos teus belos poemas, assim
sendo a fasquia é alta, beijos amiga

Agostinho disse...

Tem balanço esta,
Pérola!

Rotina por rotina...
ao contrário
se faça:
o ritmo diário
ganha graça.

Mona Lisa disse...

A rotina é a "morte" do viver, passando-se a existir!

Magnífico poema!

Beijinhos.

Francisco disse...

E, a cru te digo: Adorei

Beijinhos grandes

Marcos Satoru Kawanami disse...

"Sabão crá-crá, sabão crá-crá
Não deixa os cabelos do saco enrolá

Sabão cré-cré, sabão cré-cré
Não deixa os cabelos do saco de pé

Sabão cri-cri, sabão cri-cri
Não deixa os cabelos do saco caí

Sabão cró-cró, sabão cró-cró
Não deixa os cabelos do saco dar nó

Sabão cru-cru, sabão cru-cru
Não deixa os cabelos do saco
Enrolar com os do..."

canção do conjunto Mamonas Assassinas

✿ chica disse...

Tuas divagações sobre a vida são sempre excelentes! bjs praianos,chica

Ana Carla disse...

Olá Pérola!
Obrigada pelo carinho e pela visita!
Bjo!

Anne Lieri disse...

Pérola,poesia intensa,de busca interior! Achei linda! Bjs,

FireHead disse...

Este poema tem um quê de gnóstico. Parece uma vontade de viver outras vidas que não a vida que nós temos. :)

Beijinhos e bom fim-de-semana.

Sónia TM disse...

Ora aí está uma bela pergunta



Sónia
www.tarasemanias.pt

Andreia Morais disse...

r: Bom mesmo é ler comentários assim. Muito obrigada, minha querida!

Beijinhos*

Suzana Martins disse...

Lá fora as pessoas passam, longe de mim. E eu fico, inventando divagações, pensando em solidões.
Sufocam em mim as indagações que valorizam o eu.
Falar de valor não sei, o que tenho são apenas rascunhos crus, que fogem de mim!!

Pérola querida, desculpa as minhas divagações. Mas, o seu poema fez barulhos em mim e, as palavras foram saindo num paralelo que nem eu entendi.

Acho que já falei isso, mas vou repetir, gosto demais do teu versar!!

beijos e excelente final de semana!!^^

Evanir disse...

Perola..
Lindo poema agora que voltei a postar poemas de amigas e (os) leio e muito cada poema de todos os blogs.
Fico feliz em ler tanta preciosidade que já poderia estar nas paginas de muitos livros.
Que seu final de semana seja abençoado.
Beijos meus.
Evanir.

Rapha Barreto disse...

Muito bom!
Enquanto la fora outros estão apressados em suas rotinas, abatidos com a p´ropia vida... e só nós para conhecer o valor que temos!

Beijos e bom fanal de semana
http://mylife-rapha.blogspot.com

Ana Tapadas disse...

O valor de ti...espelha-se nas tuas belas palavras!
Beijo

DE-PROPOSITO disse...

Dizem que é a vida
---------
A vida com as suas alegrias e tristezas!
---
Felicidades
MANUEL

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Pérolamiga



Voltei à tua companhia; o Crónicas das Minhas Teclas está em “hibernação”, mas não para; (diz-me sff se gostas deste título e ou não gostas). Se for não, alvitra um título que eu analisarei e se entender que será melhor, o aceitarei. É, pois, um desafio que te lanço. Muito obrigado.

Mas por agora quero dar-te a informação de que já acabei o texto, o Leonel Gonçalves está a ver o dito e… a Raquel também. É uma mulher de armas, sempre pronta a ajudar-me!...

No dia 16 deste mês começa a edição: capa e miolo vão entrar na impressão e, depois, pensar na distribuição que seja a melhor. E a publicidade? O editor e eu estamos carentes de euros e será a que for possível com a participação de quem queira também publicitar junto das Amigas e dos Amigos, o que desde já agradeço muito. Vou ainda tentar junto da malta amiga da comunicação social que façam o que melhor entenderem.

Está também a ser estudado o local do lançamento; tem de ser mais ou menos espaçoso e com boas condições. E não muito caro… Enfim, trabalha-se. E espero em breve dar-te uma novidade que entendo excelente…

Porém, neste interregno, voltarei a visitar-te e a comentar-te como é meu apanágio. E naturalmente a avisar-te sobre o local, o dia e a hora do lançamento. Quero-te lá: para te ver e/ou conhecer pessoalmente e ver… te comprar muitos exemplares rrrrrrsssss…

Qjs

Este texto é único e vai repetir-se pelos blogues e comentadores e colabores que me têm acompanhado; infelizmente não posso avisar e comentar uma a uma ou um a um. Desculpem

Kelly disse...

Lindo...e tao verdade :)
Beijinho, Kelly
Blogue Scream of Beauty
FanPage do Facebook

MARILENE disse...

Para não "enfermar" o eu, cumpre-se a rotina (rss), sem deixar de observar o que de belo nos chega pelo olhar. Bjs.

Dentro da Bolha disse...

a valorização das palavras, das vontaades... e a gente vai dançando e dançando.

dentrodabolh.blogspot.com

EU disse...

não se mede, ajuízam-no os outros, bem ou mal...
Gostei imenso.
Bjo, Pérola :)