terça-feira, 29 de março de 2016

Da espera


Aliso o mar que nos separa
e espero.

De mala feita,
vigio horizontes vazios,
despidos de ti.

Tenho a Lua por companhia
já que o Sol se cansou.

Esfarelo pensares
e coisas minhas
em tempo sem tempo para mim.

Quedo-me inteira
em vagares demorados,
pausa inspirada
na maré ausente.

Estás em mora
neste entardecimento tardio
enquanto dobro ânsias
para minguar apetites,
fomes e sedes
somente de ti.

14 comentários:

Carmem Grinheiro disse...

Olá, Pérola.
O Sol se cansou, mas ela não.
A espera pelo amor demora a cansar ;)

bj amg

Francisco disse...

Muito bom ;)

Beijinhos

Andreia Morais disse...

Adorei!

lua singular disse...

Boa noite Pérola
Cada dia escrevendo melhor
Adorei sua poesia
Beijos
Lua Singular

Benedita disse...

Sempre tão profunda e intensa.
Maravilhoso!
Beijinhos

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Magnifico um belo poema.
Gostei.
Um abraço e uma óptima Quarta-Feira.
http://andarilharar.blogspot.pt/

Diana Fonseca disse...

Uma espera eterna!

Elisabete disse...

Adorei!
Gostei muito da ideia de alisar o mar.
Bjs

Cidália Ferreira disse...

Poema escrito brilhantemente!

Beijo e dia feliz

Coisas de Uma Vida 172

► JOTA ENE ◄ disse...

Quem será o muso do outro lado do mar. Há musos sortudos, eheh

Pedro Coimbra disse...

Poema para um amor ausente.
Muito bonito.

Bergilde disse...

Há alguns anos me veria nesta tua poesia,linda,e obrigada por nos presentear emoções escritas!

emanuel moura disse...

Maravilhoso poema querida amiga ,muitos beijinhos no coração.

M* disse...

Há muito que cá não passava. Excelentes poemas. Gosto.
Beijo