sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Era Uma Vez . . .



. . . Sombra que queria ser gente, 
fugir da silhueta que imitava.

Escapulia-se na escuridão
onde a existência lhe dava tréguas.

Logo uma nesga de luz
lhe devolvia os contornos,
negando-lhe liberdade.

Insatisfeita,
percorria caminhos impostos,
assumia formas reflexas.

Em noite de Lua Nova
evadiu-se de coração descompassado.

Diluiu-se no véu das trevas e,
já que não podia ser gente,
preferiu ser Nada.

Mar.Maria


15 comentários:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Gosto de sombras que querem ter vida. Não gosto de quem vive na sombra de alguém
Beijinho e bom fds

Cidália Ferreira disse...

Bom dia
Belo texto...gostei de ler!

Tem um excelente fim de semana

beijos
http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

emanuel disse...

Sombras que querem ganhar vida quando nos próprios já lhe damos vida ,muitos beijinhos

M D Roque disse...

Sombra de nós. Bonito, como sempre. Beijinho.

Diana Filipa Fonseca disse...

Adorei. Também existe a gente que quer ser sombra. Gostei muito!

Mona Lisa disse...

Ando a sentir-me sombra sem vida!

Beijinhos.

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

Lindo, lindo, lindo, sobretudo no desenlace. E a imagem é muito boa, também...

bjo

Géssica (Kinha) disse...

Ótima mensagem...
Beijo
;)

Patricia Figueiredo disse...

Minha amiga, artista das letras, adorei!
Beijos

lena disse...

Olá Pérola.
Devíamos todos seguir o exemplo da sombra e querer fugir da escuridão. Muito bom mesmo.
Bom fim de semana e beijinhos grandes

Dani Cristina disse...

Encantador isso!!!! :>)
Adorei ler.
Beijos.

mmm´s disse...

A nossa sombra é quase um outro "eu", sem ela, o homem seria um ser ainda mais incompleto e a impossível dissociação da sombra do seu dono, só será possível em Murakami...

Laura Santos disse...

Pois é, não deve ser nada fácil ser sombra....:-)
xx

Francisco disse...

Gostei muito mesmo

Beijinhos :)

edumanes disse...

Era uma vez,
Um máquina de escrever
Nova talvez?
Mas já deixou de o ser.

Agora em desuso
Já fez o que tinha a fazer
Velhinha sem lustro
Toda a vida a padecer!

Um beijo.