sábado, 21 de janeiro de 2017

a ler



Leio-te, 
o sorriso a soletrar 
cada sílaba,
cada expressão tua,
como se fora a última.

Percorro-te
o corpo a pausar
cada parágrafo,
cada saliência tua,
como se fora única.

Urge-me o calor teu,
a demora tardia
de querer mais.


E de tanto querer,
perco-me
em moradas
de livros sem fim,
leituras inacabadas
de poesias e prosas,
fólios acrescentados
de magia esfaimada
de te ler.

9 comentários:

Cidália Ferreira disse...

Lindo Poema! Adorei

Beijos. Bom Domingo

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

emanuel moura disse...

Lindíssimo momento de poesia querida amiga, beijinhos muitas felicidades

Cláudia disse...

Bom para acabar uma semana e começar outra =)

Beijocas

Pedro Coimbra disse...

Uma declaração de amor ao livro?
Boa semana

alfacinha disse...

Lindo poema e a entrada da loja muito Original
Um abraço

Graça Pires disse...

Saber ler. Saber ler a poesia, os romances. Saber ler os outros...
Um belo poema.
Uma boa semana.
Beijos.

José Carlos Sant Anna disse...

E assim vai decorando a geografia que se abre às mãos, aos olhos, ao corpo. E entregar-se com volúpia. Ler é uma dádiva.
Beijo, Pérola!

ReltiH disse...

BONITA DEDICATORIA.
ABRAZOS

Vieira Calado disse...

Olá, boa noite! Hoje vai este poema
http://vieiracalado-poesia.blogspot.pt/2017/01/o-coracao-conhece-o-segredo.html Os meus cumprimentos!