domingo, 8 de janeiro de 2017

encarcerada



Erguem-se paredes,
fecham-se jardins,
esgotam-se ares
na masmorra de me ser.

Soltam-se cheiros a bafio,
passados trancados,
entre quatro paredes
onde a respiração
se dificulta.

Sei duma nesga,
pequena janela
do lado de fora
onde o ar é puro
e o perfume das flores
me fazem sonhar.

Quero rasgar 
esse pequeno nada,
esventrar a brecha
com unhas,
dentes,
e tudo o que me restar.

Viro-me do avesso,
procuro forças
em busca desse lado de  fora,
porque,
por aqui,
tudo é escuro,
tudo é fechado,
em asfixias
onde perco a consciência,
a vontade de me ser.

Fechadas portas,
acessos
e travessias,
há que transcender 
a ausência de luz,
tem de ser . . .


10 comentários:

Pedro Coimbra disse...

O seu escrito é tão forte e real que até se torna claustrofóbico.
Boa semana

Marcos Satoru Kawanami disse...

Interessante, e bem ritmado.

=)

Cláudia disse...

Uma pessoa repete-se tanto. É bonito!

Beijocas

Graça Pires disse...

Rasgue-se. Vire-se do avesso. Procure a luz para esquecer as sombras...
Gostei muito do poema.
Uma boa semana.
Beijos.

emanuel moura disse...

Maravilhoso momento querida amiga que transcende para lá de toda a escuridão ,beijinhos querida amiga muitas felicidades

Cidália Ferreira disse...

Mais uma verdadeira pérola poética! Amei

Beijos e uma excelente semana
.
http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Mariana Penna disse...

Querida Pérola.
Tenha um ótimo ano.
Um beijo!

FABIO VENZI - GRAN LOGGIA REGOLARE D'ITALIA disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
FABIO VENZI - GRAN LOGGIA REGOLARE D'ITALIA disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
XicoAlmeida disse...

Espera pelo porquê?!!!
Solte as amarras e navegue ... na sua corrente!