terça-feira, 7 de maio de 2013

RASGO


Sou rasgo no ventre da mãe Terra.
Lampejo nas trevas das sombras da Lua.
Golpe de sorte nos dados lançados pelo destino.
Grito liberto nas asas da borboleta.
Efêmero arrojo no rujido da besta.

Sou Rasgo frágil com forma de mulher.
Tocada pela fada no condão de Ser.
Fruto de semente apodrecida no tempo que me trouxe.
Extinguindo-me no crescimento das raízes.

Nua, 
rasgo de vontade, 
cruzando o céu como estrela cadente, 
num piscar de olhos.



14 comentários:

edumanes disse...

Não precisa de a tirar
Roupa vestida ela não tem
Por isso nada se vai rasgar
Se é essa sua vontade está bem.

Lindo poema
Rasgo no ventre da mãe terra
Poder voar como a borboleta
Pousar nas flores quem me dera!

Boa noite e um beijo
para ti amiga Pérola.
Eduardo.

✿ chica disse...

Lindo esse rasgo tão poético,Pérola! beijos,chica

Vintense disse...

Pérola.. fiquei arrebatado com o teu poema..

Beijo rasgado

dreams disse...

Adoro esta janela:) Adoro os teus poemas:) Obrigado por tamanha gentileza!! Beijinhos grandes e xi- <3

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

Cada mulher
é brisa
ou tempestade,
silêncio
ou sinfonia,
simplicidade
ou enigma,
mas acima
de tudo,
cada mulher
é um ato de verdade.


Viver é acima de tudo,
a arte de abraçar os sonhos.

Cláudia disse...

Muito bom =)

Beijocas

Opinante disse...

Sempre cheia de inspiração!

lena disse...

Adorei. Muito bem escrito.
beijinhos grandes.

Jovem $0nhador@ disse...

Tens um dom natural para a escrita =)

disse...

O poema é da tua autoria? Está lindo!! :)

D.N. disse...

Tanta inspiração junta :)

Já pensaste em fazer um livro?

Lídia Borges disse...

"Sou rasgo no ventre da mãe Terra."

Um verso que vale um poema.



Beijo

Nea ♪ disse...

As resposta à entrevista são de um rapaz

manuela barroso disse...

Mais uma poesia de excelência no teu melhor Pérola.
Arrebatadoramente bela. Continua!
Terno abraço