segunda-feira, 14 de maio de 2012

* Fragmentos *


Serena, olhava o horizonte. O mar fazia ouvir a sua voz nas ondas que beijavam, de mansinho, a areia humedecida. Imóvel, quase estática absorvia a maresia e a luz que lhe enchiam os poros.
Sem receios, evitava os  gestos impulsivos, até mesmo a respiração mais profunda.
Sabia-o! Sabia-o muito bem! Esta certeza tranquilizava-a.
A calma escondia as ausências, o seu ser esburacado, eviscerado.
Delicadamente, como  entidade diáfana, baixava-se, lentamente, à procura duma posição sentada.
Confortávelmente instalada, continuava a sua observação do firmamento.
Olhos postos na linha na linha separadora do oceano  com a atmosfera, as suas mãos resvalavam para o solo, feito de areia, conchas, seixos e pedrinhas várias.
Sem pressas, atrevia-se a recolher cada naco seu que se encontrava espalhado ao acaso.
Tinha-se fragmentado! Tinham-na fragmentado!
Uma lágrima rebelde rolava pela face, translúcida.
Com jeitos pacifícos continuava a sua busca.
Faltavam-lhe pedaços! Tinham-lhe sido arrancados.
A noite já caira. Aquela demanda teria de ficar por ali. Outro dia voltaria.
Sem pressas, iria agrupar todos os fragmentos dispersos, em paradeiro incerto. A sofreguidão não seria boa aliada.
Com todo o tempo do mundo, ergueu-se, incompleta, faltas de pedaços seus, roubados.
O seu sonho, agrupar todos os seus bocados que deixara para trás.
Fragmentos que a tinham desventrado, tornando-a em criatura sem alma, reduzida a sobras.
Reconhecia que o preço, elevadissímo, de se ter dado em tiras tinha-se transformado no seu bem mais valioso.
O seu 'EU', transformado em fragamentos diferenciados, quais peças de puzle, depunha a esperança na miragem do dia longíquo  em que, reunidos todos as suas migalhas, voltaria a 'SER', de corpo inteira e alma presente.
Sem fragmentos  estripados, desmembrada.
O sussurar do chamamento do mar, ao longe, trespassava-a, vagueando, livremente, pelos orifícios do seu corpo incompleto.
Voltaria, suavemente para, de novo, preencher a sua essência perfurada, rota...  

21 comentários:

✿ chica disse...

Intensas e lindas palavras, fazem pensar. Muito legal!!uma semana ótima, tudo de bom,chica ( esse barulhinho de água do mar é lindo aqui...saudade dele!)

J. disse...

gostei muito do texto, intenso e profundo . parabéns :)

Sweet C disse...

Gostei mt :)

lis disse...

Bom iniciar a semana lendo fragmentos
que brotam espontâneos quando perto do mar ou de qualquer outro elemento da natureza.
Passei pra deixar um abraço e linkar seu blog pra voltar mais vezes.
boa semana Pérola

apenas umas letras disse...

olá. Lindo texto. é um texto escrito por ti, ou em resultado de leituras que tenhas feito? beijos. o texto é lindo.

O blog da S. disse...

Muito lindo, Pérola. :)

Felisberto Junior disse...

Olá!Bom dia!
Tudo bem?
..me encantam seus versos, porque a ternura e a suavidade resplandecem...sentir a doçura de seus escritos me faz ficar feliz por estar aqui...
Boa semana!
Beijos com carinho

Aida disse...

Lindo, adorei!


http://placequotehere.blogspot.pt

ONG ALERTA disse...

Um texto muito bom para começar a semana, beijo Lisette.

Mona Lisa disse...

Belíssimo.

Tocou-me!

Há peças que nunca se encontram...

Beijos.

Katty disse...

Revejo-me muito neste texto, desde o local a praia à desfragmentação e anseio por conseguir depor "a esperança na miragem do dia longíquo em que, reunidos todos as suas migalhas, voltaria a 'SER', de corpo inteira e alma presente."

AvoGI disse...

é tao bom começar a semana a ler textos lindos
kis .=)

Vera, a Loira disse...

Que palavras tão intensas Pérola. adorei.
Ás vezes não é fácil juntar todos os fragmentos.

Patrícia disse...

Que lindo Perola. boa semana pra vc ai em Portuga! Bjs

Cristinix disse...

Que bonito! Gostei muito!
Beijinhos.

Secreta disse...

Bonitas palavras. Intensas e tocantes.
Beijito.

D.N. disse...

Um texto muito intenso, que me deixa a pensar na desfragmentação de certos acontecimentos...
Beijinhos

Nany disse...

Sãs as nossas peças soltas, agarradas, perdidas e reencontradas que fazem de nós aquilo que somos.
Adorei a imagem, condiz com o meu estado de espírito actual.
Bjs

PS: Somos mesmo rainhas, mães de princesas são isso mesmo.

O blog da S. disse...

Hoje tenho o deafio das mentiras no meu blog, gostava que respondesses. É coisa rápida. :)

Beijocas.
S.

Margarida Alegria disse...

Belo texto, que me comoveu.
Nem sempre reparamos que vamos perdendo fragmentos também.
Abençoada quem sabe descrevê-lo desta forma poética!
Beijos

Amapola disse...

BOA NOITE, PÉROLA.

ESSE CLIMA TODO, É PURA MAGIA.
LINDO TEXTO.

QUE SEJA ABENÇOADO O SEU FIM DE SEMANA.

BEIJOS.