quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Negro Profundo ( 17 )

Após o funeral da mãe, apenas a avó se lhe dirigiu aconselhando-a a continuar afastada da família.
Tinha sido escolha dela, não poderia reclamar. Um terno beijo depositado na sua testa denunciava um carinho inexistente nas palavras proferidas por Aurora.
Toma o caminho da casa principal das Mimosas agora seu lar.
Altura de exames do primeiro semestre. Do Grupo jovem da herdade apenas Luís tinha faltado para receber e consolar a amiga. Aconselha-a a vestir outra roupa.
O negro pesa-lhe a silhueta.
Completamente exausta, sonâmbula, anui e dirige-se ao seu quarto, de há cinco anos a esta parte, contíguo ao de Matilde.
Aproveita para tomar um duche, veste uma ligeira camisa de noite e deixa-se envolver pela escuridão proporcionada pelas portadas cerradas em plena tarde luminosa.
As últimas quarenta e oito horas tinham-se transformado num pesadelo. Custava-lhe conciliar o sono apesar do torpor a invadir.
Familiares e amigos desfilavam à sua frente como se a  um filme assistisse.
Contudo, as cenas tinham como pano de fundo o cenário onde vivera as últimas horas.
Debatendo-se com os fantasmas é finalmente vencida e adormece.
Desperta após vinte horas de sono initerrupto, por volta da hora de almoço do dia seguinte.
Lentamente, recolhe as lembranças recentes, sente-se invadir por melancolia companheira.
Levanta-se, e ao abrir a janela, os pais de Matilde acorrem a saber da sua menina.
Samara,, apesar da dor presente causada pela eterna ausência da figura materna e pela indiferença sentida pelos membros do seu clã biológico, consegue esboçar um sorriso e sussura um: 'Estou bem.'
Sózinha, olha para o Negro total qua a vestira na véspera e decide não tornar a usá-lo.
Retomaria a vestir a roupa escolhida por si nas lojas da cidade.
Sabendo que já estava acordada, Luís fez questão de aompanhar a refeição da amiga de infância.
Como já tinham perdido os exames poderiam usufruir da próxima semana de férias e desfrutar da companhia um do outro.
Depois, recomeçaria o segundo semestre e com a exigência do curso, seria de esperar que Samara voltasse ao nível a que habituara amigos, professores, colegas e a si mesma.
(continua)

8 comentários:

Patrícia disse...

Amiga estou curiosa , vou voltar pra continuar lendo...como vc é muito criativa!
Bjs

Margarida Alegria disse...

Passo apenas com tempo e forças para dar um beijinho, pois há ainda o capítulo anterior a este a por em dia.
Boa noite e... darei novas este fim de semana (isto tem sido um tempo de truz... sem tempo ou forças para nada...)
Beijos, querida amiga!

Margarida Alegria disse...

Passo apenas com tempo e forças para dar um beijinho, pois há ainda o capítulo anterior a este a por em dia.
Boa noite e... darei novas este fim de semana (isto tem sido um tempo de truz... sem tempo ou forças para nada...)
Beijos, querida amiga!

Arco Iris disse...

A Samara está a dar a volta à sua vida. Esperemos novo capítulo.
Beijinhos

Vera, a Loira disse...

Adorei a forma como escreveste, e fico curiosa por saber o que vão fazer nestes dias que se seguem de férias.

Marcos Souza disse...

Muito interessante o texto, vou voltar pra acompanhar o desfecho dessa história.
Amiga, muito obrigado pela sua visita e agradáveis palavras em meu blog.
Tenhas um maravilhoso fim de semana.
Beijos

Opinante disse...

Mais mais!

Mona Lisa disse...

Samara virou mais uma página do livro da sua vida!

Espero ansiosa por mais um capitulo.

Beijos.