segunda-feira, 9 de abril de 2012

S E R E S - V I V O S

Somos omnívoros o que significa que não somos esquisitos no que se relaciona com a alimentação.
Estamos providos de um sistema digestivo que assimila os nutrientes de qualquer ser vivo que comamos.
Por falar em seres vivos podemos categorizá-los em dois grandes grupos:
-Animais.
-Plantas.
Temos como ponto assente que, por definição, ser vivo é um ente que nasce, cresce, reproduz-se e morre.
Na nossa alimentação associamos plantas e animais conforme os costumes e a variedade à nossa disposição.
Hoje em dia, proliferam os vegetarianos e suas variantes que vão até aos vegan. Como não sou expert na matéria, fico-me por aqui na classificação dos humanos segundo o tipo de alimentação.
Porém, vou mais além na diferença entre plantas e animais e na razão que porque vos faço perder um tempo ao lerem estas linhas.
Muitos fazem do 'ser vegetariano', ou similar, um modo de vida. Invocam razões de saúde, religiosas e até de sofrimento dos animais que se comem. Pois bem, os estudos ciêntificos ora lhes servem de suporte ora os contrariam.
Quanto ao sofrimento da criação de animais para abate, não concordo, mas como-os. É verdade que quando saboreio uma coxa de frango ou um pedaço de picanha os animais que lhe estiveram na origem estão mortos e cozinhados.
Em relação aos vegetais, comecei a imaginar, e baseando-me em estudos que concluem como certo as plantas 'gostarem' de música e da nossa conversa paciente para com elas, que trinco alfaces vivas, tomates a sangrar, macãs que se esvaem no seu suco.
Enfim, sou tomada por um sentimento de culpa, pior do que assassinar um animal para depois comê-lo é comer um ser ainda com vida a palpitar.
Lá por não terem boca, quem disse que os vegetais e seus familiares não sofrem e não gritam à sua maneira?
Tudo isto porque o mfc nos presenteou, hoje, com a sua árvore decepada.
Obrigadinho, mfc, por reduzires a minha dieta a leite e derivados
(Não sofrem quando lhes extraem o leitinho, pois não?)



8 comentários:

Ana Martins disse...

Pérola, boa noite!
Visto assim, desta forma, parecemos verdadeiros selvagens a vindimar tudo o que tem vida. Mas, entre os animais isto também acontece, é a lei da sobrevivência, não há volta a dar.
E olhe que eu não mato nem sequer uma mosca!

Beijinho,
Ana Martins

D.N. disse...

Ao ler isto fiquei sem vontade de tomar pequeno almoço, acho que vou ficar pelo copo de leite.
Beijinhos

O blog da S. disse...

Sou vegetariana, logo não concordo com o post.
Mas explico:
Que as plantas gostam de música, nunca ninguém conseguiu provar. Já um gato ou um cão, tu fazes uma festa e eles mostram emoção.
As plantas fazem parte de um ciclo da natureza, em que há uma semente, uma pode haver ou não uma flor ou um fruto, mas há sempre uma semente que daí resulta, que permite que haja continuação daquela espécie, em larga escala. E se não comermos o vegetal, ele acaba por morrer e murchar quando chegar a sua hora.
Um animal, pde ter filhos, mas nunca na mesma proporção. Tem um tempo de vida que não é um ciclo, uns vivem mais, outros menos, tal como nós humanos.
Além disso, se hoje estamos aqui, não foi à base da carne. Tendo em conta o tempo estimado de vida na terra, começámos a caçar tarde, inicialmente só se comia carne em dias festivos, e quase toda a alimentação era à base de cereais e vegetais. Ora, se chegámos até este século, é porque funciona.
Se em vez disso comêssemos só carne, às tantas tínhamos acabado com as espécies todas e já estaríamos a comer-nos uns aos outros.
Mas isto digo eu. Cada um come o que quer!
Bom dia!

Pérola disse...

Respeito todos as decisões alimentares ou outras.
Já previa que isto provocaria os vegetarianos.
A verdade é que a familia dos vegetais são seres vivos, ponto.
Por outro lado tal como as plantas também os animais têm um ciclo de vida.
Quanto à historia, tens de rever os compêndios da pré história, dá-se a matéria no 7º ano. Começámos por ser caçadores e recolectores (carne, peixe, raízes, bagas e plantas)tal como algumas sociedades tribais de hoje em dia. A agricultura foi uma invenção muito tardia na nossa história.
Somos uns sortudos de podermos optar.
Se estudares a cultura dos esquimós, ainda os há e só comem carne e gordura de animais que caçam. Os terrenos estão gelados para cultivar e os transportes tornam caríssimos os outros produtos.
Conheço quem faça dietas vegetarianas, vegan e outras que tais e cá por casa uma pimpolha fala nisso, mas sou omnívora, adoro animais, mas tenho de sobreviver. Para tal terei sempre de matar seres vivos: plantas ou animais.
Agradeço a tua valiosa contribuição para o meu cantinho.
Repito respeito e até compreendo as tuas preocupações.
Quanto a comer-nos uns aos outros, isso terá a ver com o excesso populacional que se faz sentir. Se todos os habitantes da terra tivessem os meios que tens: carro, casa, telemovel, comida à descrição, electricidade, água para esbanjar em banhos e afins, tens razão não haveria recursos para todos. O que nos vale, infelizmente, são os milhões que vivem abaixo do que é digno para qualquer Homem. Pensa em África, na China, Índia e outros no género.
Estamos é muito mal habituados.
Viva a liberdade de podermos optar pelo que queremos ingerir! Somos os próprios a arcar com as consequências.
Agora, não me digam que as plantas não são seres vivos só porque não andam, não emitem ruídos.
Um grande beijinho Blog da S.
Adorei a troca de ideias.

Opinante disse...

Ai... :S agora dá pena comer os vegetais!

mfc disse...

Pois é bem verdade.
Somos o bicho mais perigoso que vive à face da Terra e por isso estamos no topo e dominámos essa mesma Terra.
E as tuas dúvidas têm toda a razão de ser.
Sempre que nos pomos a pensar... as dúvidas surgem!
Um post bonito e muito bem feito.
Beijos,

O blog da S. disse...

Pérola,

Obrigada pela tua resposta. Também adoro uma boa troca de ideias, principalmente com pessoas como me pareces ser, capaz de discutir assuntos sem ficar melindrada ou achar que alguém te quer mudar. :)

Tens razão, não estou actualizada nas ciências da natureza, já foram há tantosssss anos. Mas fui agora ver, e o Homo Sapiens comia "fontes estacionárias de alimentos (tais como frutas, cereais, tubérculos e cogumelos, larvas de insetos e moluscos aquáticos)", assim carne da caça. Tens razão.

O que quero dizer com isto é que por exemplo no tempo da minha avó, comia-se mais sopa e vegetais do que carne. Matava-se um porco por ano, e era suficiente. Comia-se bacalhau ou cabrito apenas nas festas. E a dieta diária era mais composta por vegetais e cereais do que por carne. A minha avó ainda hoje come uma refeição completa ao almoço e ao jantar uma sopa com pão. E tem 80 anos.

Quando digo que sou vegetariana, na verdade essa é uma palavra ingrata mas infelizmente a mais conhecida. Não como só vegetais. Como principalmente cereais, seguido de legumes, vegetais, raízes e alguma proteína (a maior parte vegetal, uma parte menor de origem animal: ocasionalmente alguns tipos de peixe. Duas ou 3 vezes por ano, cedo a comer carne de frango. Por isso, não sou restrita em relação à carne/peixe. O que eu não como mesmo é açúcar, refrigerantes, bolos comprados, pão comprado (só fermento),entre outras coisas. Sou contra produtos artificialmente produzidos, acima de tudo. Cada um com suas pancas!

APENAS PALAVRAS disse...

COMO DAS OUTRAS VEZES HEI DE CONFESSAR QUE JAMAIS SAIRIA DESTE CATINHO NO QUAL NOS TRAZ E NOS PROPORCIONA LONGAS E DURADOURAS HORAS DE LEITURA E NOS FAZ CRER QUE DE DIANTE DA FRAGELIDADE QUE FORA FEITA EXISTE POR DE TRAZ DE TODO ESTE EM CANTO A MAGESTADE E A MGNITUDE DAQUILO QUE FORAS FEITA MULHER....DEIXO-TE UM CARINHO BJ DE AFETO EM SEU CORAÇÃO...