terça-feira, 29 de outubro de 2013

Fora de tempo



O bailado das folhas caídas arrepia-me.
É o ritmo outonal de coreografia constipada.
Visito o roupeiro e cumprimento os casacos.
As botas sorriem-me com saudades poeirentas.

Que hei-de fazer?
Render-me ou empunhar a arma do estio cuja sombra desvanece?

Assolam-me memórias acaloradas,
vontades frescas de prazeres suados.
Apetecem-me morangos regados de sol,
bebidas frutadas servidas em gelo.

Apanho as fantasias, 
reúno lembranças de mares calmos
e contemplo o silêncio da natureza a despir-se.

Sorrio ao novo colorido,
despeço-me das andorinhas
que as cegonhas já  por cá ficam.

As nuvens atarefadas,
em cinzentos degradê,
 montam-me um céu deslumbrante.

Na ventania ocasional,
a boca pasma-se 
ressequindo lamentos sem préstimo.
Levo a língua aos lábios e sabe-me a morangos . . .

Pérola




19 comentários:

✿ chica disse...

Maravilhosa,Pérola!!Adorei! beijos,lindo dia!chica

Bell disse...

Gostei!!!

bjokas =)

Filipa Moreira disse...

ADORO!!!!

http://estilohedonico.blogspot.pt/

Diana Fonseca disse...

Os dias que outono estão a fugir já!

Francisco disse...

Que delícia :)

Beijinhos

Laura Santos disse...

Um poema belíssimo com lembrança de mares tranquilos e sabor a morangos, enquanto a ventania do Outono já faz dançar as folhas!
Muito, muito bonito, Pérola!
xx

Arco Iris disse...

Muito bonito......
(Já requisitei o livro)em breve vou poder ler com mais calma.
Bjs

Vieira Calado disse...

O seu poema está bem escrito e achei interessante.
Bjsss

manuela barroso disse...

A tua arte poética tem mais a cada dia que passa
Lindo!
Beijinho Pérola linda

edumanes disse...

Fora de tempo, murcha a flor
Com tudo e nada me contento
Perdi a noção do tempo, fiquei sem amor
As lembranças voaram com o vento
Perdidas no desertos desidratadas ao calor!
Sem o fresco sumo de limão
Dentro do peito, escondido
Apaixonado vive o teu coração!

Boa tarde te desejo
Para ti menina Pérola
um beijo.
Eduardo.

Arco-Íris de Frida disse...

Realmente Perola, escreves muito bem... é um poema belissimo...

Diana Fonseca disse...

Informação: Decidi mudar o endereço do meu blogue, por motivos de privacidade. Para continuares a conseguir aceder, deverás adicionar o novo link à lista de leitura. Desculpa pelo incómodo.

http://sitdownandsingtomeasong.blogspot.pt/

emanuel disse...

Sempre maravilhosa ,um poema cheio de saudades onde o tempo não para e tudo se transforma ,muitos beijinhos

emanuel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mona Lisa disse...

Magnífico poema onde a melancolia e saudade se unem à despedida do tempo que cruelmente se vai...

Beijinhos.

Beatriz Bragança disse...

Minha querida
Belíssimo poema!
Temos a sorte de,apesar de estarmos quase no fim de outubro,as temperaturas ainda serem agradáveis.
A sorte ou o azar,porque,como diz a minha amiga,estamos «fora do tempo» que seria de esperar.
Temos todos saudades do verão!Mas ele...volta.É um ciclo infalível!
Muitos parabéns.
Beijinho
Beatriz

M D Roque disse...

Gosto, gosto, gosto!!! Beijinho !

Lilá(s) disse...

Sem dúvida que és uma verdadeira pérola na arte de poetizar! mas fizeste-me lembrar que o frio aperta, e não gosto muito...
Bjs

Morango Azul disse...

Lindo