sábado, 23 de junho de 2012

Amantes do verão ( dia 23 )

Um som de verão...
Se há som distintivo do verão, é o da cigarra.
Ouvi-la é sinal de estio.
De dias abafados, irrespiráveis.
Nasci e cresci no interior, como  sabem. Os meus verões eram sempre vividos ao toque do canto da cigarra.
Quanto mais altas as temperaturas, mais alto, mais intenso e mais ensurdecedor o seu som.
Podiam ser dezenas, centenas e gostava de as ouvir 'arrancar' e esfalfarem-se num frenesim que cansava os ouvidos.
Com a vinda para a cidade, perdi este contacto próprio do verão.
No entanto, sempre que passo no campo e as ouço, as sestas, os passeios, as festas, as brincadeiras, as leituras, as tarefas, as saídas à hora de calor da minha infância voltam e sinto-lhes as impressões da altura.
A nossa memória auditiva pode desencadear verdadeiras viagens no tempo.

9 comentários:

Mona Lisa disse...

Um canto que me encanta.

Apesar de ser na cidade,ainda as ouço em Lisboa, junto à casa da minha irmã, talvez pelo aglomerado de árvores ali existentes.

Beijos.

Margarida Alegria disse...

Tens toda a razão!
Se há sons que nos evocam o Verão quente, ainda mais do que o som do mar, são os cantos das cigarras e dos ralos!
Um beijo

mfc disse...

Há sensações que sempre nos acompanham...
São como que guardiãs das nossas memórias!
Parabéns pelo lindo texto!
Beijinhos,

Joana disse...

o teu blog transmite mesmo tranquilidade :) a seguir-te!


beijinho
http://stuff-by-jo.blogspot.pt/

Íris disse...

Olá! Eu sou a Íris, e criei o meu blog… entre nuvens (“Nas nuvens com a Íris”)!!
Preciso de nuvenzinhas que povoem este cantinho, por isso, deixo-te um convite:
Visita-me, inspira-te e sonha de olhos abertos…
http://nas-nuvens-com-iris.blogspot.pt/

Espero que gostes e te deixe curiosa!
1Beijinho

Raul Campani disse...

Nossos sentidos nos ajudam a lembrarmos de coisas que passamos.
Aqui está começando o inverno, está frio e vou tomar um vinho...
Beijos!

100 Pretensões disse...

O som da cigarra faz-me lembrar mesmo os verões da minha infância.
**

ONG ALERTA disse...

Cada estaçáo trás boas lembranças, beijo Lisette.

manuela barroso disse...

As tuas cigarras marcam as saudades daquele fresim dos grilos no minha infância.
O norte, só no pinheirais muito secos elas dão aso à sinfonia.
E a saudade bate à porta, sim!