segunda-feira, 18 de junho de 2012

Fantasmas...

Com o decorrer da vida vamos passando por situações, encontrando e conhecendo pessoas, percorrendo um caminho, mais ou menos, escolhido. 
Cada história sendo única, irrepetível, torna-nos especiais.
Como em todas as coisas, ser exclusivo tem o verso da medalha.
Seja em que fase da vida estejamos, há sempre acontecimentos que nos podem condicionar o futuro.
O mais gravoso são os pensamentos e as atitudes em que permitimos à culpa tomar conta de nós.
Castradora, auto-infligida, não há pior castigo ou julgamento.
Podemos ser (e somos, frequentemente) os nossos piores carrascos.
É como se, ao passarmos pela vida, déssemos boleia a fantasmas que, pela sua invisibilidade material, açambarcam o nosso eu, tornando-se em convidados indesejáveis, desmerecedores e permanentes. Contudo, não são passíveis de serem despejados numa qualquer estação ou apeadeiro.
Quantas vezes sacrificamos a nossa unicidade em prol da educação, do que fomos ensinados a considerar correto.
A nossa obrigação primeira deveria ser para nós próprios, a vida em si.
Existir e fazer parte da maravilha que é o Universo, em todas as suas dimensões, deveria chegar.
Mas, nunca é suficiente...

12 comentários:

Tétisq disse...

Ando muito desactualizada, só agora é que vi que tens um livro a sair, onde participas, parabéns! fui procurar a ver se descobria qual eras mas são 91 não consegui...
Porque será que os meus seguidores estão todos a lançar livros? E, porque será que apesar de se tornarem autores publicados me continuam a seguir, que sou parva? ... fiquei intrigada **

Margarida Alegria disse...

Humm....
cá para mim é porque estão à espera que também te tornes autora publicada, Tétisq! :)))
E que és "parva"? A que propósito? Só se for no sentido de "pequena"!

Margarida Alegria disse...

Gostei de mais esta reflexão. Mas tem muitas texturas que precisamos de interpretar. Amanhã voltarei a ler com mais calma, menos sono.
É curiosa a ideia de que as nossas culpas são fantasmas. Mas se não sentissemos algumas... teriamos fantasmas na mesma de outro tipo, ou não?
Boa noite! Beijinho

Margarida Alegria disse...

É minha impressão, ou esta caixa de comentários corta as palavras na borda direita? :((

Rafeiro Perfumado disse...

Tenho em grande conta a educação que os meus pais me transmitiram, mas já há muito tempo que me regulo pelos meus próprios princípios. E sabes duma coisa? É o que me permite deitar-me à noite e dormir em paz. Beijoca!

PS: em princípio dia 30 estarei no mega lançamento!

O blog da S. disse...

Pois é, minha querida.
A vida é deveras complicada. E nós ainda complicamos mais!

✿ chica disse...

A vida e suas lições...Linda tua reflexão!! um beijo,ótima semana,chica

Vic disse...

Pois é, Pérola, somos uns eternos insatisfeitos :)

Pérola disse...

Lá nos encontraremos. Não te conheçopessoamente, como saberei que és tu?
os caninos costumam ter uma raça, os rafeiros podem assumir várias formas.
Quando vir muita gente, deves lá estar no centro das atenções.
Um beijo.

Tétisq disse...

Do latim (parva) sou mesmo...1,48m bem medidos :)

Tétisq disse...

Por este andar, só eu é que não chego a conhecer o Rafeiro.
Maldita época de exames!*

manuela barroso disse...

Os condicionamentos da educação espartana não só nos atrai os fantasmas como a culpa, os medos, a insatisfação. Como se pode ser autêntica se seguimos padrões que nos vestem há séculos? Como estar de bem com a vida se a vida não faz o retorno da nossa Essência que teimamos ignorar?

Ah! sorri quando foste ao..."aparências"! Tão distante, Pérola.É que esse blog foi concebido para refletir sobre pensamentos de alguns Ilustres.O trabalho que dava sobrava em conforto pessoal. Mas era muito informal. Desisti. Nem me lembrava mais!
Grande abraço Pérola
( sou uma grande amante e apreciadora de pérolas!)