terça-feira, 19 de junho de 2012

Negro Profundo ( 2 )

O passeio calcetado já tinha abandonado o casario. Caminhava ao abrigo das copas das árvores que, em tempos, tinham sido o seu teto. O medo, não o sentia. Nascera e crescera no meio da vegetação com os seus habitantes das mais variadas espécies. O cheiro do orvalho noturno daquela noite outonal transportava-a para a meninice. Apesar do frio que já se ía fazendo sentir, não se perturbava. Tão natural como um pé adiante do outro, na caminhada.
Havia cinco anos que deixara, ou melhor, tinha sido expulsa daquele acampamento. Casa de família, cujas origens se perdia nas memórias dos mais antigos, habitual naquelas alturas do ano. Moradas certas que se repetiam ao sabor das mudanças climatéricas.
Já se desacostumara daquelas longas saias, rodadas, que lhe tolhiam os movimentos, enrodilhando-se nas pernas que se exigiam escondidas.
Crescera dócilmente, acatando as regras, motivo de chacota pelos miúdos e graúdos que desconheciam a sua família e as suas tradições. De certa forma, até achava as troças naturais e prova de identificação das suas diferenças.
Com o aproximar da idade mais consciente, verificava que algo estaria errado. Não conseguia prceber bem o quê, mas as voltas da vida encarregaram-se de lhes serem mestre. Aprendera a lição da forma mais violenta, contudo passara com distinção.
A sua posição extremada tinha-lhe servido de exame. A partir daí, transformou-se. Nunca mais foi a mesma.
As luzes, ao longe, piscando na clareira, indicavam-lhe que chegara.
Respirando fundo, ajeitando o lenço na cabeça, embrenhou-se no meio  das ervas e arbustos.
(continua)

14 comentários:

Tétisq disse...

continua, muito bem...e a deixar-me curiosa.*

Margarida Alegria disse...

Está muito bom.
Cada vez mais intrigante!
Ó senhora distraída: então não viste o post do selo que eu já tinha postado ontem, aquele do "óscar" dourado da música?
Boanoite! Beijinho!

Mona Lisa disse...

Intrigante, fascinante!

Um "cupido" fora da tribo?

Espero ansiosa e curiosa!

Beijos.

Ana Martins disse...

Tens o dom de nos prender à leitura... Quero mais!!!

Beijinho,
Ana Martins

Patrícia disse...

Pérola, vc precisa escrever um livro pra mim comprar e ler seus textos a toda hora. Tb estou esperando o decorrer de tudo, ansiosamente. Bjs

Rafeiro Perfumado disse...

E a magana não se vinga? Era deitar fogo ao acampamento, que isto de expulsões não é para perdoar! Beijoca!

Opinante disse...

Escreve um livro milheeeeeeeeer!

apenas umas letras disse...

Eu cá desconfio que já escreveste livros, e não queres dizer que és escritora profissional...lol.. os jovens tendem sempre a fugir ou a tentar fugirem dos acampamentos ou locais, de onde estão proibidos de sair.. beijos

aflores disse...

Não gosto de expulsões....
faz-me lembrar lutas sem fim,
com os olhos a chorar.
Mas isso, sou eu a divagar :)

Este texto vai-me apaixonar!

ehehehehe olha ele, o poeta ;):)

Tudo de bom!

Arco Iris disse...

Pérola, tomei a liberdade de copiar capítulo a capitulo , para depois com calma lêr o que eu penso que vai sair uma história com um conteudo muito bom, merecedor de quem escreve tâo bem.
Obrigada pela partilha.
Bjs :))

Pretty in Pink disse...

Lindo lindo, palavras envoltas em algum mistério...Estou desejando de ver a continuação...

Beijinho*

Arco Iris disse...

Pérola o que eu queria dizer é se posso copiar os capítulos dos seus textos, para depois os
lêr.
Posso?.

mfc disse...

Tal como nós nos embrenhamos nesta leitura deste texto que nos vai prendendo..
Que virá por aí?! Hummm...?!
Amanhã saberemos mais um pouquinho!
Beijinhos,

manuela barroso disse...

Uma personagem que pela descrição nos vai atraindo cada vez mais.
Belas descrições.
Beijinho