segunda-feira, 4 de junho de 2012

Crónic@as No Feminino ( parte XVII )

Após o calmante banho, demorou-se a espalhar loção hidratante pelo seu corpo de mulher. Já não mais menina ou jovenzinha. Reconhecia-se mulher em plenitude.
Os trinta já lhe acenavam. Indiferente, assumia o presente, situava-se na casa dos vinte e não tinha pressas. Cada idade a seu tempo. Lema de vida que extrapolava para todas as vertentes da vida.
Deu um jeito ao cabelo, nunca gostara de cabeleireiras, o ar natural assentava-lhe sempre melhor e, nua, percorreu o roupeiro com o olhar: 'Que vestir?'
Um questão, que podia assumir ares de problema, para o seu género e que havia sido uma das mesquinhices que Santiago lhe apontara. Sem paciência para aqueles 'dramas imaginários' no feminino, 'coisas de mulheres', como lhe chamara.
A roupa,  as conversas sem tema ou prazo, as justificações e explicações, o esmiuçar de todas as questões, o querer a roupa apanhada do chão, o exigir a mão entrelaçada nos passeios quando lhe apetecia estar solto. Enfim, tanta trivialidade que Madalena recordava. Toda junta dera lugar à decisão de Santiago terminar com a relação.
Abalo tormentuoso para Madalena.
Valera-lhe a sua força interior e as amizades.
Decidiu-se por um conjunto, comprado há cerca de três semanas numa das suas rondas "shopping", habitual na companhia das companheiras e amigas. Como gostava dessas tardes a entrar e sair de loja, experimentar, rir de bom grado com peças na berra que acabariam por nunca ser compradas quanto mais vestidas.
Madalena tinha um gosto jovial/clássico. Nada de trapinhos à avózinha bem como de trajes saídos de um filme futurista.
Santiago preferia vê-la de saia, porém Madalena sentia-se mais à vontade de calças.
De calças e túnica, brancos com pormenores em rosa, iria vestida para encontrar Santiago.
Vaporizou o corpo com o aroma que se tinha atrevido no banho, o preferido de Santiago, baunilha.
Maquilhou-se como de costume e ao colocar a carteira e pretences indespensáveis na mala mais casual, eis  que toca a campainha da porta.
Quem seria? Tinha combinado encontrar-se com Santiago no restaurante e este desconhecia a nova morada.
(continua)

9 comentários:

C.S. disse...

"Who is it?" Agora estou curiosa!!! ;)

tétisq disse...

A Madalena também está a completar um ciclo de 28 anos :)
Um na porta, outro à espera no restaurante...dá-lhe Madalena!*

edumanes disse...

Então quem seria?
Para sabermos vamos aguardar
Santiago desconhecia
Onde Madalena morar!

Madalena e Santiago
Irão se entender
As roupas tinha comprado
As vestiu para Santiago ver!

Linda iria ela
Com Santiago se encontrar
Não saia do pensamento dela
Porque se estava a castigar!

Continuação de boa semana,
um beijo
Eduardo.

aflores disse...

Passei por aqui só para te dar os PARABÉNS!
És a autora do comentário nº 6000 do meu blog. :))))

Ganda pinta ;)

Obrigado querida amiga pelo teu carinho e simpatia colocado sempre nos teus comentários.

Tudo de bom.

Lilá(s) disse...

E agora quem seria? fico na dúvida até quando? estou a adorar...
Bjs


ps: não tenho conseguido comentar! fica registado e depois não aparece!

Ana Martins disse...

Pérola, boa noite!
Que virá por ai, pergunto eu.

Beijinho,
Ana Martins

Margarida Alegria disse...

Como quem será?
Cá para mim é o malandrão do Santiago, que resolveu ser mais ousado!
Prepara o rolo da massa, madalena!

Marisa Reis disse...

Pois eu acho que é o tal advogado sénior, o Pedro, até porque era facílimo ele ter a morada da Madalena, será que acertei?

Mona Lisa disse...

Madalena continua a "viver" em função de Santiago.

Toca a campainha e?...

Beijos.